generos discursivos

Não devemos confundir gêneros discursivos com as tipologias textuais, nem com o suporte.

Enquanto os gêneros discursivos referem-se aos diferentes tipos de textos que encontramos em nossa vida cotidiana, as tipologias textuais dizem respeito aos modos como esses textos se organizam e se estruturam para transmitir uma mensagem. Já o suporte é o meio físico ou digital no qual o texto é veiculado, seja ele um livro, uma revista, uma tela de computador ou qualquer outra plataforma.

Na sequência, vou apresentar mais detalhadamente a diferença entre cada um desses elementos, a fim de compreendermos melhor seus “papéis” na comunicação escrita. Vamos lá!

Sumário

O que são Gêneros Discursivos?

Podemos definir como gêneros discursivos as formas estáveis de enunciados, existindo em número quase ilimitado, sendo caracterizados por três elementos: conteúdo temático, construção composicional e estilo.

generos discursivos

Conteúdo Temático

O conteúdo temático de um gênero discursivo refere-se ao assunto principal abordado no texto. Cada gênero discursivo possui um conjunto específico de temas ou tópicos que são característicos e recorrentes.

Por exemplo, em um artigo jornalístico, o conteúdo temático pode ser uma notícia atual, enquanto em um poema lírico, o conteúdo temático pode ser as emoções e experiências pessoais do poeta.

O conteúdo temático é essencial para definir o propósito e a mensagem do texto, influenciando diretamente a forma como ele é estruturado e apresentado.

*Você pode se interessar por este artigo: RESUMO de LIVRO | Como fazer em apenas 6 passos

Construção Composicional

A construção composicional diz respeito à forma como o texto é organizado e estruturado para transmitir sua mensagem.
Cada gênero discursivo possui características composicionais distintas que determinam a sequência e a disposição dos elementos textuais.

Por exemplo, um ensaio argumentativo geralmente segue uma estrutura de introdução, desenvolvimento de argumentos e conclusão, enquanto um conto pode ter uma estrutura mais livre, com foco na narrativa e na progressão dos eventos.

A construção composicional é crucial para garantir a coesão e a coerência do texto, permitindo que o leitor acompanhe e compreenda a mensagem de forma eficaz.

Estilo

O estilo de um gênero discursivo refere-se às escolhas linguísticas e estilísticas utilizadas pelo autor para expressar sua mensagem.

Isso inclui o uso de vocabulário, figuras de linguagem, ritmo, tom e registro linguístico.

Cada gênero discursivo possui um estilo característico que reflete seu propósito comunicativo e seu público-alvo.

Por exemplo, um discurso político pode apresentar um estilo formal e persuasivo, enquanto uma conversa informal entre amigos pode ser mais descontraída e repleta de gírias e expressões coloquiais.

O estilo contribui para a identidade e a eficácia comunicativa do texto, influenciando a forma como ele é percebido e interpretado pelo leitor.

Tipologias textuais

Tipologia textual se trata da forma como um texto se apresenta dentro de uma estrutura fixa ou modelo

As tipologias textuais mais comuns são:

Narrativa

Possui narrador e conta um enredo que envolve espaço, tempo e os personagens. Exemplos: contos, romances, novelas, fábulas, crônicas, anedotas, poemas e lendas.

Descritiva

Descrição ou retrato escrito de lugares, objetos, pessoas, sentimentos, acontecimentos, etc. Exemplos: biografia e autobiografia, relatos, diários, notícias, currículos, cardápios, etc.

Dissertativa

Exposição de ideias, argumentações e opiniões. Exemplos: Dissertações, editoriais, artigos, carta aberta, manifestos, etc.

Expositiva

Exposição de pontos de vista, conceitos, conhecimentos e esclarecimentos. Exemplos: Reportagens, seminários, artigos científicos, fichamentos, etc.

Injuntiva

Ensina, passa instruções e indica como realizar uma ação. Exemplos: Bula de remédio, manuais, editais, etc.

Suporte dos gêneros discursivos

Suporte ou portador é onde se veicula, ou publica-se o gênero, podendo ser físico ou virtual. Exemplos: Blogs, sites, revistas, livros, embalagem, outdoor, folder, etc.

Conclusão

Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) são os norteadores do ensino nacional. Neles, é mencionado que o desenvolvimento da competência discursiva tem como unidade básica o texto, e, todo texto se enquadra dentro de determinado gênero, assumindo assim funções comunicativas, as quais geram usos sociais. Mas há muitas questões envolvendo texto e gênero.

Diante disso, é importante que, primeiramente, o (a) professor (a) conheça afundo essas diferenciações e semelhanças, para então montar seu Quadro Teórico de Referência, que servirá de base para que ele (ela) consiga realizar com eficiência o ensino de Língua Portuguesa através dos gêneros discursivos.

7 Dicas de Como trabalhar com Gêneros Discursivos em sala de aula

Dado o número extenso de gêneros criados em uma cultura, é preciso que o (a) professor (a) selecione quais deverão ser trabalhados, e isto deve ser pautado em critérios e conhecimentos teóricos. 

Assim, algumas considerações deverão fazer parte desta escolha. Vejas estas 7 dicas abaixo:

  1. Trabalhar tanto com gêneros orais quanto com gêneros escritos;
  2. Observar a utilização que o aluno fará de cada gênero em sua vida;
  3. Trabalhar com os gêneros de ocorrência mais frequente e/ou constante na vida das pessoas;
  4. Trabalhar com textos tanto de uso privado, quanto com os de uso público;
  5. Optar por textos de gêneros que favoreçam a reflexão crítica, o exercício de formas de pensamento mais elaboradas e abstratas, bem como a fruição estética dos usos artísticos da linguagem;
  6. E por fim, trabalhar com tipos que entrem na constituição, se não de todos, da maioria dos gêneros. 
  7. Também é importante salientar que os (as) estudantes devem conhecer os exemplares e os modelos verdadeiros de um gênero, para assim refletir sobre a estrutura composicional dos gêneros.

Porém, muitas vezes são apresentados distorções e estereótipos que não representam verdadeiramente o gênero, acrescentando ou retirando elementos. 

Contudo, depois conhecer sobre a função social de cada um, levando o (a) aprendiz a produzir seu próprio discurso dentro do gênero apresentado, fazendo-o (a) refletir e realizar tarefas linguístico-discursivas, os estudantes podem assim adaptar o que aprenderam, adequando às necessidades do seu contexto social. 

Sendo assim, o mais importante é estabelecer modos de levar os alunos e alunas a incorporar tais recursos em suas competências de produção e compreensão de textos.

Referências:

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O que é um ensino de Língua Portuguesa centrado nos gêneros?. In Anais do SIELP. Volume 1, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2011. p. 509‐519. ISSN 2237‐8758.  

Espero que tenha gostado do conteúdo. Não deixe de comentar e de se tornar um seguidor para me dar uma força! 😉 

Junte-se a nós!

Não fazemos spam! Leia mais em nossa política de privacidade

Sobre o Autor

Prof. Elias
Prof. Elias

Formado em Letras/Português e suas Literaturas pelo Instituto Federal do Triângulo Mineiro e em Pedagogia pela Universidade Camilo Castelo Branco. NeuroPsicopedagogo, Autor de livro e Professor de Projeto de Apoio Pedagógico há 12 anos.

    0 Comentários

    Não deixe de comentar. Sua opinião é importante!

    Solicitar exportação de dados

    Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

    Solicitar a remoção de dados

    Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

    Solicitar retificação de dados

    Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

    Solicitar cancelamento de inscrição

    Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.

    O que é Microconto?